Título: Polícia transfere os três presos para Belém
Autor: Leonel Rocha
Fonte: O Estado de São Paulo, 03/03/2005, Nacional, p. A15

Tato, Fogoió e Eduardo, indiciados por homicídio qualificado, saem de Altamira ALTAMIRA - Foram transferidos na tarde de ontem para Belém os três presos acusados de participar do assassinato da freira Dorothy Stang. O capataz Amair Feijoli da Cunha, o Tato, acusado de intermediar o crime, e os pistoleiros Rayfran Sales, o Fogoió, e Clodoaldo Batista, o Eduardo, vão esperar as próximas fases do processo no Complexo Penitenciário de Americano, em Santa Izabel do Pará, na região metropolitana de Belém. Eles foram indiciados no início da semana por homicídio qualificado - se condenados, podem pegar 12 a 30 anos de prisão. O governo estadual cedeu um avião para levá-los três para Belém, onde chegaram por volta das 16h30 e foram levados em viaturas policiais do aeroporto até o presídio.

No período em que esteve preso em Altamira, Tato preferiu o silêncio. Em depoimentos às Polícias Civil e Federal, ele negou que tenha contratado os pistoleiros para matar Dorothy. Já Fogoió e Eduardo deram várias versões sobre o assassinato nos depoimentos e chegaram a citar o prefeito de Anapu, Luiz dos Reis Carvalho (PTB), como um dos que ajudariam a pagar os advogados para defendê-los, se fossem presos.

A PF propôs proteção aos três, por avaliar que corriam risco de morte. Sem descartar a hipótese de que tenha se formado um consórcio de fazendeiros e madeireiros para matar a freira, a PF temia que mandantes optassem pela "queima de arquivo". A Polícia Civil, no entanto, avaliou que os presos estavam seguros.