Título: Depoimento de Marinho cita três encontros com Jefferson
Autor: Rodrigo Morais
Fonte: O Estado de São Paulo, 26/05/2005, Nacional, p. A7

O ex-diretor do Departamento de Contratação e Administração de Material dos Correios Maurício Marinho revelou no depoimento prestado anteontem à Polícia Federal que manteve contatos com o genro do deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), Marcus Vinícius Vasconcelos Ferreira, que já vinha sendo investigado por suspeitas de envolvimento com o esquema de corrupção nos Correios. No depoimento, cuja íntegra o Estado teve acesso, Marinho disse que conheceu Marcus na festa de aniversário de Jefferson, em 2003, admitiu que o recebeu na sede da ECT e manteve várias conversas com ele por telefone, embora não saiba precisar quantas foram. Ele garante, no entanto, que desde o ano passado não conversa com o genro de Jefferson por telefone. O ex-chefe de compras garante que não é filiado ao PTB, mas contou que esteve três vezes com Jefferson, a última delas no ano passado, num restaurante da Asa Sul de Brasília. No depoimento de dez páginas Marinho nega envolvimento com o esquema de corrupção, assume que aceitou os R$ 3 mil por uma suposta consultoria e detalha os quatro encontros que manteve com um suposto araponga, que se apresentou como Goldman, consultor de uma multinacional americana. Nos três primeiros encontros diz que só Goldman compareceu. No quarto e último encontro é que aparece Vitor, o homem que teria feito a gravação. A Polícia Federal já tem as fotografias dos dois supostos arapongas, retiradas do sistema de identificação da portaria dos Correios. As imagens não são nítidas, mas a identificação deverá ser facilitada pela descrição feita por Marinho. Não há dúvida para a polícia que Marinho está envolvido com o recebimento de propinas e é suspeito de integrar esquema de corrupção. Mas falta identificar os motivos da gravação. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) ajuda a polícia a identificar os homens. Vasconcelo Quadros