Título: Nota do Enem poderá ajudar na busca do primeiro emprego
Autor: Fabiana Cimieri
Fonte: O Estado de São Paulo, 26/09/2005, Vida&, p. A16

Exame foi realizado ontem por cerca de 3 milhões de alunos; desempenho será divulgado a empresas

O Ministério da Educação (MEC) vai permitir que empresas acessem as notas dos alunos que participaram ontem do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A idéia é montar currículos on-line no site do MEC para facilitar o primeiro emprego. Apenas os estudantes que autorizarem terão seu desempenho divulgado. Segundo o ministro da Educação, Fernando Haddad, o que ele chamou de "banco de talentos" será concluído até o fim do ano. Marcada para as 13 horas, a prova começou em todo o País com 15 minutos de atraso. A tolerância ocorreu por causa da greve dos Correios, que pode ter impedido estudantes de receberem em casa seu cartão de convocação com horário e local de exame. Um telefone 0800 foi colocado a disposição dos alunos e recebeu cerca de 1 milhão de ligações.

Estavam inscritos para o Enem 2,99 milhões de alunos que terminarão este ano o ensino médio ou que já o concluíram. O MEC deve divulgar quarta-feira o número de abstenções. Além das 63 questões interdisciplinares, os estudantes tiveram que fazer uma redação sobre trabalho infantil. As notas serão enviadas em novembro para os participantes.

Segundo Haddad, empresas têm procurado estudantes com o perfil dos bolsistas do Programa Universidade para Todos (ProUni). "É um jovem que superou vários obstáculos na vida e que chegou à universidade por méritos próprios", diz. O ProUni foi a maior razão para o recorde de inscritos este ano. Apenas com a nota do Enem é possível concorrer à bolsa em instituições particulares. Por causa do recorde de inscritos, a nota mínima deve subir em 2006.

Desde 1998, quando a prova foi criada, o MEC tenta usar o desempenho dos alunos para ajudar na seleção de empresas. O coordenador do Enem, Dorivan Ferreira, diz que agora o processo já está sendo montado e que ele vai direcionar os alunos, conforme as competências demonstradas na prova, para áreas como Direito, Engenharia, Comunicação. O aluno poderá incluir informações pessoais e experiência profissional no seu currículo na internet. Só empresas cadastradas terão acesso às informações.

PROBLEMAS

A tolerância de 15 minutos não ajudou Everaldo César Siqueira, de 28 anos, que faria a prova em Campinas. Ao chegar,descobriu que deveria fazer o exame em outro endereço. Ele não recebeu sua notificação pelos Correios. Dezenas de alunos também não conseguiram chegar a tempo em Salvador. "Estou decepcionada", disse Eliene de Jesus, que chegou 30 segundos após o fechamento do portão e culpou o ônibus.

"Esperava uma avaliação bem mais difícil. Consegui preencher tudo", disse Ana Lucia Oliveira, de 17 anos, que fez na Barra Funda. Ela gostou da idéia de a nota ajudar no primeiro emprego. "Principalmente para quem nunca trabalhou. É uma chance a mais." A colega dela, Evelin Regina, de 17 anos, quer fazer Direito e também espera a ajuda do Enem. Mais de 400 instituições hoje usam a nota como parte do seu vestibular.

Para a estudante do 3.º ano de Taubaté Beatriz Gomes, de 17 anos, a prova foi difícil. "Muita coisa nunca ensinaram na escola", reclamou. Já a redação, sobre o trabalho infantil, foi apontada pelos alunos como a parte mais fácil da prova. "As questões dependiam só de raciocínio", disse Rodrigo de Oliveira, de 17 anos, ao deixar seu local de exame no Rio. Na cidade, 200 mil estudantes se inscreveram, 69% a mais que em 2004. Entre els, 42 detentos do Complexo Penitenciário da Frei Caneca, no centro da cidade. Dez deles são da Penitenciária Lemos Brito, que abriga o Colégio Estadual Mário Quintana, o primeiro no Brasil a formar uma turma de ensino médio dentro de uma cadeia. Renata Cafardo, Leonardo Goy, Silvana Guaiume, Biaggio Talento, Simone Menocchi,