Título: Ex-militante faz crítica à comparação histórica
Autor: Laura Diniz
Fonte: O Estado de São Paulo, 03/10/2005, Metrópole, p. C1,3

O historiador Jacob Gorender, autor de Combate nas Trevas, considerado uma das mais completas obras sobre a ditadura militar, considera que não dá para comparar os períodos e as lutas pela liberdade, como sugere a propaganda dos favoráveis ao comércio de armas. "Na época da ditadura, com censura à imprensa e tortura, a situação era completamente diferente da de hoje, quando, bem ou mal, vivemos em uma democracia", disse. O PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário), do qual o historiador participou, chegou a enfrentar a ditadura pela via da luta armada. Gorender é contra a proibição de venda de armas. Também ex-militante contra a ditadura, o professor de filosofia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) João Quartim de Moraes classificou de "demagogia" a comparação com o período da ditadura. "O direito à insurreição é universal. Fazer esse paralelo é puro confusionismo." Moraes, que militou na Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), defende a proibição da venda de armas.

Gorender contesta a proibição."Os bandidos não serão atingidos por essa medida, já que vão obter armamento de qualquer forma."

O presidente do PV no Estado do Rio, Alfredo Sirkis, considera que as imagens de luta contra a ditadura utilizadas na campanha do grupo favorável ao comércio de armas são parte de uma estratégia de marketing político. Para ele, haverá argumentos apelativos dos lados contrários e favoráveis ao comércio de armas. Sirkis é contra o porte de armas, que deveria ser restrito às Forças Armadas, e afirma que vai votar nulo no referendo.