Título: 'Pensar que Lula não se reelege é erro'
Autor: João Domingos
Fonte: O Estado de São Paulo, 22/10/2005, Nacional, p. A10

Em entrevista convocada para contestar o relatório do deputado Júlio Delgado (PSB-MG) que pede a sua cassação, o deputado José Dirceu (PT-SP) disse ontem não ter segurança para afirmar que não houve caixa 2 na campanha que elegeu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002. Dirceu lembrou declarações do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, mas preferiu não avalizá-las: "Delúbio falou que não houve caixa 2. Eu não sou louco de dizer certas coisas que podem se voltar contra mim. Sou réu." Dirceu recusou-se a dizer se o mandato dos envolvidos com caixa 2 deve ser cassado. "O melhor é acabar com o caixa 2. Fazer a reforma política. Apóio o manifesto dos senadores do PT que decidiram não aceitar o caixa 2 e fazer prestação de contas diárias", destacou. "Não podemos fazer apologia do caixa 2 nem sermos hipócritas. Prefiro que todos nós lutemos pelo fim do caixa 2."

De acordo com o ex-ministro da Casa Civil, os que hoje pensam que o PT vai desaparecer cometem um erro gravíssimo. "Pensar que o presidente Lula não será reeleito é um erro gravíssimo", emendou. Mas reconheceu que a reeleição dependerá do desenrolar dos fatos.

Dirceu recusou-se a dizer como vai votar no processo interno do PT que concluiu pela expulsão de Delúbio. "Vou ouvir suas razões antes de decidir. Não vou condenar o Delúbio como fazem comigo. Não vou prejulgar."

RECURSOS

Antes da entrevista, Dirceu leu os principais pontos de seu contrarrelatório, com o qual pretende combater o relatório de Delgado. Segundo o petista, o relatório "tem erros grosseiros".

O deputado ainda destacou o que considera a falha mais gritante: "Há fato grave quando o relator edita trecho do depoimento de Dirceu, misturando-o com declarações do deputado Edmar Moreira (PL-MG). Tal passagem é grave porque mostra a disposição do relator em subverter a ordem dos depoimentos a fim de formar juízos."

Para Dirceu, se alguém no Planalto quis a sua renúncia, teve ilusões. "É preciso entender que não existe o Palácio do Planalto. Existe o presidente Lula, seus ministros, o conselho político. Se alguém, em algum momento, acreditou que eu renunciaria, que ia deixar de fazer política, teve uma grande ilusão."

O ex-ministro disse que acredita que a Câmara manterá o seu mandato. Mas, se for cassado, já tem planos. Vai participar, como cidadão, da campanha pela reeleição de Lula. "Se o presidente decidir pela reeleição, estarei ao lado dele."