Título: MST faz novas ações e amplia para 19 as fazendas invadidas em PE
Autor: Elder Ogliari
Fonte: O Estado de São Paulo, 07/03/2006, Nacional, p. A10

O "2006 vermelho" planejado pelo Movimento dos Sem-Terra (MST) prosseguiu ontem com mais quatro ocupações em Pernambuco, totalizando 19 áreas invadidas em menos de 40 horas. No Pará, outro movimento de sem-terra promoveu a invasão da sede regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), ocupada no final da tarde de ontem por 200 famílias. Em Goiás, houve três invasões: uma à sede do Incra e duas ocupações de fazendas.

As ações do MST se destinam a pressionar o governo para acelerar desapropriações de terra e cumprimento da meta de assentamentos. Outras ocupações e uma greve de fome de lideranças estaduais estão previstas até abril.

Não foi registrado conflito em nenhuma das ocupações. De acordo com um dos dirigentes regionais do movimento em Pernambuco, Joba Alves, o Engenho São João, pertencente à Usina Tiúma, do Grupo Votorantim, que foi ocupado na madrugada de anteontem por cerca de 300 famílias, está recebendo mais sem-terra que souberam da reocupação. A área é boa para plantio. Os sem-terra haviam ocupado o engenho no início de 2004, mas foram despejados em julho.

No Pará, os agricultores entregaram à direção do Incra e ao delegado do Ministério do Desenvolvimento Agrário uma pauta com vários pedidos, contendo "reivindicações para a melhoria de vida dos trabalhadores rurais".

Em Goiânia, 500 sem-terra chegaram de madrugada e ocuparam salas e corredores do Incra com colchões. O superintendente substituto do órgão, Antônio Pereira de Almeida, aceitou se reunir com os representantes dos sem-terra no fim da tarde, para discutirem a pauta de reivindicações. As outras duas invasões em Goiás foram nas fazendas Alagado e Riachão, em Crixás, e Arraial das Antas, em Faina.