Título: Título do governo carrega juro alto por mais tempo
Autor: Tom Morooka
Fonte: O Estado de São Paulo, 05/09/2006, Especial, p. H2

Papel prefixado longo é também proteção contra possível inflação

O investidor poderá esticar a rentabilidade dada pela temporada de juros elevados, que está chegando ao fim, com a compra de títulos públicos federais pelo Tesouro Direto. Embora tenham vencimentos em períodos longos, são papéis que, no caso dos prefixados, embutem juros elevados em relação aos que possivelmente estarão rolando na hora do vencimento. É possível investir em cinco tipos de título pelo site do Tesouro: Letras do Tesouro Nacional (LTNs),prefixadas; Letras Financeiras do Tesouro (LFTs), pós-fixadas, com rendimento atrelado à taxa Selic; Notas do Tesouro Nacional da série B (NTNs-B), que rendem juro prefixado mais a variação do IPCA; NTN-C, juro prefixado mais IGP-M; e NTN-F, título com rendimento prefixado que paga juros a cada seis meses.

A procura por papéis prefixados tem aumentado com a percepção dos investidores de que os juros tendem a cair mais, comenta Helio Santos Pio Jr., gerente comercial da Agora Corretora de Títulos e Valores Mobiliários. Os títulos mais demandados são as NTNs-B, mas há interesse também pelas LTNs e NTN-F - este papel rende pouco menos, mas é o único entre as NTN que possibilita o resgate dos juros semestralmente.

Tanto a compra como a venda direta dos títulos públicos são feitas por meio do site do Tesouro (www.tesouro.fazenda.gov.br). O investidor entra no site de uma corretora, faz um cadastro como cliente e, de posse de um login fornecido por ela, entra no site do Tesouro para comprar e vender papéis. É possível comprar os títulos em qualquer dia, mas a venda pode ser feita apenas na quarta-feira, dia de recompra do Tesouro. O gerente comercial da Agora diz que o valor mínimo para a compra é equivalente a 20% de um título. Isso exigiria, na quinta-feira, R$ 301,52 para a compra de 20% de uma NTN-B para vencimento em 15 de agosto de 2008 que custava R$ 1.507,58 nesse dia. Mas, dependendo do do título, em geral é possível aplicar a partir de R$ 200,00.

O investidor tem basicamente dois custos na compra direta de títulos públicos. Um porcentual à corretora, calculado sobre o valor de compra, e 0,4% ao ano à Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), para a guarda dos papéis.

A tributação segue a dos fundos de investimento. Se permanecer até seis meses com o título, o investidor vai pagar, no resgate, Imposto de Renda pela alíquota de 22,50% calculado sobre o rendimento; se ficar entre seis meses e um ano, a alíquota será de 20%; entre um ano e 18 meses, 17,50%; e acima de 18 meses, a alíquota cai para 15%.

O diretor de Investimentos da SulAmérica Investimentos, Marcelo Assalin, diz que os títulos públicos indexados à inflação, principalmente as NTN-B, são uma opção saudável de diversificação. 'Eles oferecem proteção se a inflação surpreender negativamente.'