Título: Serra mudará progressão continuada
Autor: Renata Cafardo
Fonte: O Estado de São Paulo, 23/11/2006, Vida&, p. A23

O sistema de progressão continuada da rede estadual de ensino de São Paulo vai mudar no governo de José Serra. Os dois ciclos que existem hoje - 1ª a 4ª série e 5ª a 8ª série - serão redivididos em outros com menor duração.

A intenção, segundo a secretária de Educação, Maria Lúcia Vasconcelos, que permanecerá no cargo, é o de avaliar com mais freqüência e melhor o aluno.

A progressão continuada foi o tema mais discutido em educação durante as eleições para o governo do Estado. O sistema, que existe desde os anos 90 na rede, é freqüentemente apontado como culpado pela baixa qualidade de ensino. Argumenta-se que os alunos passam de ano sem aprender porque a repetência só pode ocorrer ao fim de cada um dos atuais dois ciclos e não mais em cada série.

¿Vamos avaliar mais vezes as crianças e poderemos sinalizar claramente se estão aprendendo ou não¿, diz a secretária. A idéia, segundo ela, é do próprio Serra. Durante a campanha, ele repetia que deveria haver mais avaliação nas escolas.

Maria Lúcia explica que, no sistema de progressão continuada, as avaliações devem ocorrem sempre, independentemente de os aluno serem reprovados ou não por elas. ¿A progressão é uma boa idéia na sua gênese, mas existe um problema cultural. Com a mudança, poderemos também tranqüilizar a comunidade externa, que acredita que as crianças não estão sendo avaliadas hoje¿, completa.

A medida, segundo ela, ainda será detalhada. Provavelmente, o primeiro ciclo terá dois anos, o que corresponde às duas séries em que há a alfabetização. Um mesmo professor vai acompanhar a classe na 1ª e na 2ª série - iniciativa que já começa a funcionar em 2007. Outros ciclos podem durar também dois, três ou quatro anos. A mudança leva em conta a implementação do ensino fundamental de nove anos, lei federal que passará a ser cumprida no Estado em 2008.

¿Ninguém quer a volta da repetência, mas também não queremos aprovação automática¿, diz o presidente do sindicato dos professores da rede (Apeoesp), Carlos Ramiro. Segundo ele, para melhorar o ensino é preciso ainda oferecer formação continuada ao professor, aumentar o tempo em que os alunos ficam nas escolas e diminuir o número de estudantes nas salas de aula.

Além da mudança nos ciclos, a secretária pretende fazer com que o Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp) seja aplicado apenas para alunos de 1ª e 2ª séries. ¿Vamos focar no que nos interessa mais, que é a alfabetização das crianças¿, diz. O restante dos alunos continuará a ser avaliado pelos exames feitos pelo Ministério da Educação (MEC).