Título: Rede de pedofilia tem 1ª condenação
Autor: Villar, Sandro
Fonte: O Estado de São Paulo, 08/01/2010, Metropole, p. C5

Borracheiro e sobrinho receberam pena; promotoria nega que participação de 'figurões' seja ignorada

Acusado de ser um dos principais integrantes da rede de pedofilia em Catanduva, no noroeste paulista, o borracheiro José Barra Nova de Mello, o Zé da Pipa, de 47 anos, foi condenado a 13 anos e quatro meses de prisão. Já William de Mello de Souza, de 20, sobrinho do borracheiro, recebeu pena de 12 anos. Eles foram condenados pela juíza Sueli Juarez Alonso, titular da Vara da Infância e Juventude do Fórum de Catanduva.

Assinada no dia 28 de dezembro, a sentença foi divulgada ontem pela Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça. A juíza condenou Zé da Pipa por ter molestado quatro crianças e ter abusado, com o sobrinho, de outros três menores entre 2008 e 2009. Além da dupla, que está presa, outros suspeitos ? alguns de famílias influentes da cidade ? são acusados de abusar de mais de 50 crianças em Catanduva.

No caso de Zé da Pipa e de seu sobrinho, a juíza considerou que eles cometeram crimes graves. "A conduta dos réus é de todo reprovável. Não há como acolher a tese da defesa, a prova é robusta", justificou a magistrada na sentença.

As insinuações de que o processo contra o borracheiro e o sobrinho teve um desfecho rápido, enquanto outros suspeitos continuam soltos, foram rebatidas pela Promotoria de Justiça Criminal. "A apuração sobre o envolvimento de pessoas ricas continua. Nós estamos investigando também a participação de "figurões"", resumiu um promotor que pediu anonimato.

Duas dessas pessoas são representadas pelo advogado Paschoal Biloti Neto, que negou rumores de que dois clientes seus estariam envolvidos. "Nem suspeitos são, não se apura nada", afirmou.

O processo foi enviado pelo Fórum ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em São José do Rio Preto, que investiga a participação de "figurões" no escândalo. A reportagem procurou o promotor Paulo César Neuber Deligi, mas não teve retorno das ligações.

No primeiro processo contra Zé da Pipa, no início de 2009, o advogado de defesa era José Odival Sguartecchia, que morreu em 12 de dezembro passado. "Meu pai teve um enfarte", conta a advogada Ellen Sguartecchia. Ela não sabe quem é o novo advogado do borracheiro. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o fórum também não deram informações sobre o novo defensor.