Título: FHC elogia acusação e diz ter certeza de que 'houve crime
Autor: Macedo, Fausto ; Recondo, Felipe
Fonte: O Estado de São Paulo, 07/08/2012, Nacional, p. A6

Ex-presidente tucano duvida de "absolvição geral" no processo, mas não cita nomes de possíveis culpados

No primeiro dia da manifestação da defesa no julgamento do mensalão, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse ter certeza de que "houve crime" e duvidou de uma "absolvição geral" pelo Supremo Tribunal Federal. O tucano elogiou a acusação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, lida na sexta-feira.

"Depois do que ouvi do procurador, houve crime e crime tem que ser punido. Ele foi bastante convincente, deu mais do que indícios. Ele demonstrou que houve crime", afirmou o ex-presidente, que proferiu no Rio palestra sobre o futuro do Brasil, na abertura da 32.ª Convenção Anual do Atacadista Distribuidor.

"É uma decisão difícil. A ninguém é prazeroso julgar pessoas que tinham influência na vida pública", disse o tucano. "Tenho confiança de que o Supremo julgará com serenidade e com justiça. Havendo crime, cumpra-se a lei. Diante do que ouvi, não dá para pensar que vai haver absolvição geral, é impossível."

Fernando Henrique evitou citar nomes e arriscar condenações. "Quem é o criminoso e o grau de culpabilidade, só quem tem os autos na mão deve saber. Não vou me meter de julgador, não tenho elementos para julgar", afirmou o ex-presidente. "O réu tem que, de alguma maneira, se defender. Se tiver procedência, tudo bem. Se não tiver, afasta. Cabe ao juiz separar o joio do trigo."

Na semana passada, Fernando Henrique divulgou três vídeos a respeito do início do julgamento do mensalão. Na última gravação, o tucano tratou da "pressão que presidentes ou ex-presidentes possam fazer a juízes que nomearam", como descreve o site Observador Político. Nos vídeos anteriores, havia dito que o julgamento poderia marcar a história do País e que todos, independentemente do cargo exercido, devem cumprir a lei.

Eleição. Fernando Henrique também comentou a eleição em São Paulo, onde o candidato do PRB, Celso Russomanno, está em empate técnico com o tucano José Serra. O ex-presidente disse que o cenário pode mudar com o início da propaganda eleitoral na TV, no dia 21. "Russomanno é um político calejado. No primeiro momento a população vai inclinar-se para quem conhece mais. Só vamos saber como serão as coisas quando começar o programa de televisão. É aí que o povo abre os olhos."