Título: Ex-senador sugere ter informação privilegiada no governo Alckmin
Autor: Rosa, Vera ; Recondo, Felipe
Fonte: O Estado de São Paulo, 14/12/2012, Nacional, p. A4

Miranda diz ter recebido decreto de interesse de grupo suspeito antes de sua publicação; governo nega ter dado benefício Gilberto Miranda, indiciado por corrupção na Operação Porto Se­guro, disse em telefonema inter­ceptado pela Polícia Federal que obteve informação privilegiada de dentro do governo de São Pau­lo. O ex-senador afirma em con­versa com Paulo Vieira, suspeito de ser o chefe da quadrilha, que recebeu cópia de um decreto de seu interesse assinado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) antes mesmo de o documento ser publicado no Diário Oficial.

Alckmin é citado ao menos três vezes pelos alvos da Operação Porto Seguro, razão pela qual seu nome foi incluído numa lista de 18 autoridades com prerrogativa de foro enviada pela PF à Justiça. Isso não quer dizer que o tucano seja alvo da investigação - trata­-se de procedimento de praxe. Também integram alista o minis­tro do STF Dias Toffoli e o advogado-geral da União, Luís Adams. Todos dizem não ter qualquer re­lação com o grupo investigado.

No telefonema gravado às 22h04 de 5 de junho de 2012, Mi­randa diz a Vieira que recebeu cópia de um decreto do governo paulista que seria publicado no dia seguinte. O documento decla­ra "relevância econômica e so­cial" de um porto que seria cons­truído pela empresa de um ami­go do ex-senador na Ilha de Ba­gres, em Santos. "Só tô te ligando pra falar que o Geraldo... O gover­nador Alckmin assinou agora às 8.