Título: BRASIL FICA EM QUINTO LUGAR EM ÉTICA NA AMÉRICA LATINA
Autor:
Fonte: O Globo, 09/09/2005, Economia, p. 25

Consultoria aponta Chile como o melhor para negócios

MADRI. A corrupção e o baixo nível de educação fizeram com que o Brasil ficasse em quinto lugar em um estudo sobre ética nos negócios na América Latina. A pesquisa, da empresa espanhola de avaliação de ética Management & Excellence (M&E), abrangeu as oito maiores economias latino-americanas, analisando áreas como governança corporativa e desempenho socioeconômico. O país considerado mais ético e sustentável para negócios na região foi o Chile. Em segundo lugar, vem o México e em terceiro, a Argentina, que está se recuperando da pior crise econômica de sua história.

A M&E ressaltou que, 16 anos após o fim da ditadura de Augusto Pinochet e o retorno à democracia, o Chile conseguiu se transformar em uma economia aberta e moderna, e lidera em esforços anticorrupção. Segundo a consultoria, o país foi o primeiro país da região a investir em governança corporativa, promovendo reformas em 2000, ampliando os direitos dos acionistas e aumentando os poderes de diretores independentes.

Comércio com os Estados Unidos beneficiou o México

O estudo da M&E é a primeira classificação de ética e sustentabilidade da América Latina. A pesquisa considerou 60 pontos de dados quantitativos em áreas como: governança corporativa, desempenho fiscal e econômico, desempenho social e em segurança, desempenho educacional e desempenho no combate à corrupção, para determinar a ética (boas políticas) e a sustentabilidade.

O segundo classificado, o México, se beneficiou de sua proximidade econômica com os Estados Unidos, o que incentivou o crescimento do seu Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas por um país) per capita. O intercâmbio comercial do México com os EUA cresceu 175% desde que o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) entrou em vigor, em 1994. O PIB per capita mexicano superou o chileno.

A pontuação da Argentina ficou pouco abaixo da obtida pelo México, mas o país tem um perfil diferente. Desde a crise financeira de 2001, a Argentina está se debatendo com uma dívida pública que corresponde a 65% do PIB do país, e registra o terceiro maior índice de inflação dos oito países analisados. Este ano, a inflação deve ficar em torno de 11%. Ainda assim, a Argentina é forte em setores como educação.

Segundo o estudo, o Brasil tem uma boa governança corporativa, mas empata com a Colômbia em crime e desemprego. O que mais prejudicou o país no ranking geral foram a corrupção e o mau desempenho em educação.

A Venezuela empatou com o Brasil em quinto lugar. Seu maior problema, no entanto, foi a governança corporativa, quesito em que ficou em último lugar, junto com Equador. Economicamente, a Venezuela está entre os participantes mais fracos, com o maior índice de inflação (31,1%), além de ter tido uma baixa pontuação em liberdade econômica.