Título: VATICANO VASCULHA SEMINÁRIOS EM BUSCA DE GAYS
Autor: Laurie Goodstein
Fonte: O Globo, 16/09/2005, O Mundo, p. 31

Medida adotada nos EUA surge após casos de pedofilia e antecede decisão que pode proibir sacerdócio a homossexuais

NOVA YORK. Investigadores designados pelo Vaticano foram instruídos a examinar cada um dos 229 seminários católicos nos Estados Unidos em busca de ¿provas de homossexualismo¿ e de membros do corpo docente que divirjam dos ensinamentos da Igreja Católica, de acordo com um documento preparado para orientar o processo.

O documento do Vaticano, entregue ao ¿New York Times¿ por um padre, surge quando os católicos aguardam uma decisão da Igreja sobre se o sacerdócio deve ser proibido aos homossexuais.

Numa possível indicação de qual será a decisão, o arcebispo americano designado para supervisionar a investigação dos seminários declarou que ¿ninguém que esteja envolvido em atividades homossexuais ou tenha fortes inclinações sexuais¿ deveria ser admitido num seminário.

Edwin O¿Brien, arcebispo para as Forças Armadas americanas, disse ao ¿National Catholic Register¿ que a restrição deveria ser aplicada mesmo àqueles que não sejam sexualmente ativos por uma década ou mais.

Os seminários americanos estão sob a observação do Vaticano após uma série de escândalos de abuso sexual que atingiu o sacerdócio em 2002. Autoridades eclesiásticas nos Estados Unidos e no Vaticano desejam avaliar de perto como os candidatos ao seminário são selecionados e se estão sendo preparados para uma vida de castidade e celibato.

Um estudo encomendado pela Igreja descobriu no ano passado que cerca de 80% dos jovens que sofreram abusos de padres eram meninos. Especialistas em sexualidade humana lembram que homossexualismo e atração por crianças são coisas diferentes, e que um número desproporcional de rapazes foi vítima de padres pedófilos devido a estes terem um acesso mais fácil a alvos masculinos ¿ como coroinhas e jovens seminaristas ¿ do que a femininos.

Ex-reitor diz que medida é injusta

Mas alguns integrantes da Igreja nos Estados Unidos e no Vaticano, incluindo bispos e muitos conservadores, atribuem os casos de pedofilia a padres gays e pediram por uma revisão geral dos seminários. A expectativa em torno da medida aumentou este ano com a eleição do Papa Bento XVI, que falou da necessidade de ¿purificar¿ a Igreja.

Não se sabe ao certo quantos padres seriam homossexuais. As estimativas variam muito e vão 10% a 60%.

O catecismo católico diz que pessoas com tendências homossexuais ¿profundamente enraizadas¿ devem viver em castidade porque ¿atos homossexuais são intrinsecamente distorcidos¿.

O reverendo Donald B. Cozzens, um ex-reitor de seminário que causou polêmica cinco anos atrás quando publicou um livro afirmando que ¿o sacerdócio é ou está se tornando uma profissão gay¿, disse ontem que muitos na Igreja aceitaram seu argumento. Mas ele teme que a reavaliação dos seminários leve professores e seminaristas a renunciar:

¿ Isso seria um grande erro sob o meu ponto de vista. Em primeiro lugar, é injusto com professores e seminaristas gays que levam vidas castas. E em segundo, não sei se realmente há como impor isso.

www.oglobo.com.br/mundo