Título: CNI: VENDA CAI, MAS EMPREGO SOBE
Autor: Mariza Louven
Fonte: O Globo, 05/04/2006, Economia, p. 26

Aumento de horas trabalhadas em fevereiro foi considerado positivo

BRASÍLIA. Os indicadores de fevereiro divulgados ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) consolidam o quadro de recuperação da atividade econômica. Depois de três meses consecutivos de queda, o número de horas trabalhadas na indústria teve um crescimento de 2,08%, em relação ao mês anterior.

O resultado interrompeu e compensou a seqüência de queda registrada entre novembro e janeiro, o que na visão da entidade indica que o processo de ajuste nos estoques, iniciado no fim do ano, acabou e a tendência a partir de agora é de expansão da produção.

- A atividade industrial enfim dá sinais de crescimento. Os estoques estão ajustados e as perspectivas para os próximos meses são positivas. Espero que em março tenhamos também números muito bons - disse Paulo Mol, economista da CNI.

Em fevereiro, as vendas caíram 0,44% em relação a janeiro, mas para a CNI essa queda reflete apenas uma acomodação após um período de crescimento intenso. Com base nos indicadores apurados até fevereiro, a CNI decidiu rever para cima as projeções de crescimento para 2006. A última previsão, feita em dezembro, é de crescimento de 3,3% para o PIB e 4,2% para o PIB da indústria.

O que vem surpreendendo nos indicadores de desempenho da indústria é o crescimento da demanda interna, que segundo os técnicos está acima das expectativas.

Já o emprego na indústria subiu 0,4%, em fevereiro. Segundo a CNI , o emprego tem se mantido estável desde o ano passado e deve crescer no segundo ou terceiro trimestres deste ano, em decorrência do crescimento da produção e das horas trabalhadas.

Outro indicador considerado positivo foi a utilização da capacidade instalada, que ficou em 79,5%, contra 79,3% em janeiro e 81,3% de fevereiro de 2005. Isso indica que há espaço para crescer a produção.