Título: LEMBO DIZ DESPREZAR ACM, UM 'TÍPICO SENHOR DE ENGENHO'
Autor: Adauri Antunes Barbosa/Ilimar Franco
Fonte: O Globo, 31/05/2006, O País, p. 9

'Governador é fruto do acaso', rebate senador baiano

SÃO PAULO E BRASÍLIA. O governador de São Paulo, Cláudio Lembo (PFL), disse ontem que tem desprezo pelo senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e que o considera um exemplo de senhor de engenho. O senador baiano havia dito que Lembo tem "cara de burro".

- Isso é típico de senhor do engenho. Tudo o que eu disse sobre a burguesia branca ficou caracterizado na frase dele. Mostra a grosseria com que trata os outros - disse o governador, durante sabatina promovida ontem pela "Folha de S.Paulo". - Eu não temo esse senhor. Ao contrário, tenho um profundo desprezo por ele.

Lembo disse que o senador retrata a elite branca, que já criticou, e que trata os outros como se fossem lacaios. Ele comentou o episódio da violação do painel do Senado, que fez com que ACM renunciasse ao mandato temendo ser cassado.

Em resposta, ACM divulgou nota em que acusa Lembo de leniência na recente crise na segurança pública e afirma que o pefelista virou governador por acaso. O senador afirmou que Lembo só ganhou o cargo de vice de Geraldo Alckmin devido às pressões do senador Marco Maciel (PFL-PE). "O governador Cláudio Lembo é fruto do acaso e da pressão que o ilustre senador Marco Maciel exerceu no partido para alçá-lo, sem que mérito ele tivesse, à condição de vice-governador", disse ACM.

"À sua inexperiência juntou-se a falta de votos", diz ACM

ACM afirmou que essas circunstâncias o fizeram governador sem ter experiência para tal e destacou: "À sua inexperiência juntou-se a falta de votos". ACM disse que na recente rebelião nos presídios, Lembo foi leniente e com suas declarações contribuiu para agravar a situação. "Finalmente devo esclarecer que, se não mantive diálogo com o senhor Lembo, foi porque eu não quis, pois mais de uma vez fui procurado por ele nesse sentido", conclui ACM.

Na sabatina, Lembo voltou a criticar indiretamente políticos do PSDB. Disse que percebia que os tucanos tinham o hábito de "voar fora de hora", mas como vice-governador deveria ser "cordato, humilde e solidário".

- Eu diria que, como toda ave, às vezes tucano voa fora de hora - disse Lembo.

No mesmo tom irônico, falou sobre a reação das polícias civil e militar aos ataques.

- Vocês acham que a polícia deveria ir para a linha de frente com bandidos e perguntar se eles gostariam de tomar café? - respondeu, provocando risos na platéia. - É fácil rir. No dia dos ataques vocês estavam em casa, enquanto a polícia enfrentava bandidos.