Título: FRIO E SONO DE MADRUGADA NO GINÁSIO E NA DELEGACIA
Autor: Demétrio Weber
Fonte: O Globo, 08/06/2006, O País, p. 9

Só crianças foram para abrigos

BRASÍLIA. Militantes do Movimento de Libertação dos Sem-Terra (MLST) que participaram da invasão da Câmara passaram a noite em claro sentados em pequenas cadeiras das arquibancadas do ginásio Nilson Nelson e em bancos de madeira da 2ªDelegacia de Polícia. Apenas dez crianças, acompanhadas das mães, e 27 adolescentes foram levados para dormir em abrigos. Presos no gramado do Congresso Nacional, os militantes chegaram por volta das 20h ao ginásio. Numa banca improvisada no centro da quadra, oito policiais civis fizeram fichas com os dados pessoais dos sem-terra. Os militantes foram chamados, um a um, para a identificação. Onze militantes, entre eles Bruno Maranhão, o principal líder do MSLT, foram levados para a 2ª DP para prestar depoimento à Polícia Legislativa.

A polícia distribuiu refeições. Os sem-terra reclamavam de frio e de sono. Ao contrário do que acontece em agrupamentos de sem-terra ligados ao MST, nenhum político fez visita à primeira noite na prisão dos militantes do MSLT. Só representantes da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados (OAB) local passaram pelo ginásio para se inteirar das condições do ginásio convertido em presídio provisório.