Título: Cid gastará mais com dívida do que com investimento
Autor: Frazão, Heliana
Fonte: O Globo, 31/12/2006, O País, p. 11

Futuro governador do Ceará tem o apoio de 40 dos 46 deputados

FORTALEZA. O governador eleito do Ceará, Cid Gomes (PSB), irmão do ex-ministro Ciro Gomes, tem entre seus desafios aumentar a capacidade de investimento do estado, que gasta hoje mais dinheiro com o pagamento de dívidas. No primeiro ano de mandato, Cid Gomes terá que gastar R$696 milhões com a dívida pública, enquanto os recursos disponíveis no orçamento de 2007 para investimento são de R$400 milhões.

Cid foi deputado estadual duas vezes e, por dois mandatos, prefeito de Sobral, a 230 quilômetros de Fortaleza, com 175.814 habitantes. Beneficiado com recursos federais, transformou a cidade num modelo de gestão com obras de visibilidade, para onde atraiu indústrias e até uma vinícola.

O futuro governador deverá anunciar logo cortes de custeio (R$250 milhões), cargos comissionados (R$14 milhões), terceirizados (R$40 milhões) e até gratificações de trabalho técnico (R$8 milhões). Só aí faria uma economia de R$312 milhões. Cid vai reduzir de 27 para 21 o número de secretarias estaduais. Também criou pastas que têm equivalentes no governo federal com objetivo de aumentar o entrosamento de projetos entre estado e União. Um exemplo é a Secretaria de Cidades, que será ocupada pelo PT.

Obras inacabadas absorvem R$1,3 bilhão

A dívida do governo cearense com contratos e convênios, operações de crédito, garantias e precatórios é de R$5,8 bilhões, segundo a equipe de transição. Outro gargalo são as obras inacabadas. Segundo o procurador da Fazenda Nacional Fernando Oliveira, da equipe de transição, o Ceará tem contratos e convênios no valor de R$1,323 bilhão, cujas obras estão paralisadas.

Cid assume depois de ter vencido no primeiro turno com 2,4 milhões de votos (62%), derrotando o PSDB, que governou o estado por duas décadas. Tem prestígio junto no governo federal graças às relações de Ciro com o presidente Lula.

Aos 43 anos, Cid é politicamente habilidoso e verbalmente mais moderado do que o irmão. Não enfrentará dificuldades com a Assembléia Legislativa, que presidiu por dois mandatos (1995-1998). Seu arco de alianças inclui PT e PMDB. Dos 46 deputados estaduais, tem o apoio de 40. Potenciais adversários estariam no PSDB, mas Cid indicou o tucano Marcos Cals, atual presidente da Assembléia, para a Secretaria de Justiça.

Adversários no plano nacional, as boas relações pessoais e políticas entre os irmãos Gomes e o presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati, permanecem. A dúvida é se Cid conseguirá manter a boa convivência com os petistas, pelo menos com a ala mais à esquerda, que inclui a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins - que cobrava dele um rompimento com os tucanos.