Título: Novos investimentos chineses no Brasil podem chegar a US$12 bi
Autor: Oliveira, Eliane
Fonte: O Globo, 20/05/2009, Economia, p. 25

Em viagem de Lula a Pequim, Petrobras fecha contrato de US$10 bi.

PEQUIM. A viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Pequim, que termina hoje, teve como resultado investimentos novos no Brasil que podem chegar a US$12 bilhões. O grande provedor desses recursos é o Banco de Desenvolvimento da China (CDC). A instituição fechou contrato de US$10 bilhões com a Petrobras, vai repassar US$800 milhões ao BNDES e outros US$100 milhões ao Itaú. Além disso, a Chery, a maior montadora de veículos chinesa, confirmou oficialmente que instalará, ainda este ano, uma fábrica de automóveis no país, para produzir 150 mil unidades do A3. Estimativas extraoficiais indicam que a empresa deve investir em torno de US$700 milhões no país.

Foram assinados 13 acordos entre os países, incluindo a imediata liberação das guias de importação de carne de frango para 24 frigoríficos habilitados. O governo brasileiro e representantes do setor privado se queixaram ao governo chinês de que, embora a decisão de importar o produto do Brasil tivesse sido tomada em 2004, a burocracia impedia que as operações se concretizassem.

O empréstimo do CDC à Petrobras terá prazo de dez anos para ser pago. Os recursos serão usados para financiar o plano de investimentos da estatal de US$174,9 bilhões até 2013, e para a compra de bens de capital e serviços de empresas chinesas.

Montadora da China visitou Rio, SP, Minas e Ceará

No mesmo contrato, está previsto o incremento das exportações de petróleo para a Unipec Asia, subsidiária da Sinopec. No primeiro ano de vigência, serão vendidos 150 mil barris por dia, chegando a 250 mil barris nos nove anos subsequentes. Também foi assinado um acordo de intenções com a Sinopec, de cooperação em exploração, refino, petroquímica e suprimento de bens e serviços.

- O acordo nos dá tranquilidade para financiar nossos investimentos, para avançar na construção de equipamentos, no avanço das refinarias, nos gasodutos e na área de biocombustíveis. Temos hoje, em 2009, captação total de US$30 bilhões, recorde na história da companhia. Isso significa que não necessitaremos captar recursos, a não ser que existam condições muito desfavoráveis nos próximos dois anos - disse o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, que terminou a negociação às 6h (hora de Brasília).

Já o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Ivan Ramalho, disse que funcionários da Chery visitaram Rio, São Paulo, Minas e Ceará. O anúncio do local onde a fábrica será instalada será em julho.

Ao discursar no encerramento de um seminário empresarial sino-brasileiro, Lula destacou a parceria entre Brasil e China, defendeu o aumento do comércio e dos investimentos e disse que, a partir de agora, nenhuma decisão na esfera econômica será tomada sem a presença das nações em desenvolvimento.

- Vocês não imaginam o prazer, a satisfação de começarmos a sentir que somos grandes, que temos importância e que nunca mais ninguém vai sentar na mesa de negociação dizendo: "não precisamos convidar China e Brasil, porque eles são pobres". Estamos aprendendo a gostar de ser ricos - afirmou Lula. Nem o Brasil deve ter medo da China, nem a China do Brasil.

Lula foi respaldado pelo vice-primeiro-ministro da China, Zhang Degiang, que chamou o presidente brasileiro de "um velho amigo do povo chinês":

- Somos os maiores países em desenvolvimento dos hemisférios Leste e Oeste. Juntos, podemos superar as dificuldades e voltar a desenvolver nossas economias, intensificando comércio, cooperação científica e tecnológica, aprendendo uns com os outros.

Lula publicou ontem artigo no jornal chinês "Diário do Povo". Nele, diz que os países emergentes estão "escrevendo um dos mais importantes capítulos da história do século XXI".

Presidentes discutem uso de moedas dos dois países

Embora o assunto não tenha sido parte da declaração conjunta dos dois presidentes, Lula e o presidente da China, Hu Jintao, conversaram sobre a possibilidade de os dois países começarem a discutir o uso de suas moedas em comércio e investimentos, em vez do dólar. Uma reunião de ministros da Fazenda e presidentes dos bancos centrais dos dois países será marcada em breve, informou o chanceler Celso Amorim.

Ele explicou que o dinheiro a ser repassado pelo CDC ao BNDES será destinado ao financiamento do comércio bilateral. O mesmo se dará com os US$100 milhões do Banco Itaú.

Lula concede hoje entrevista a jornais e emissoras de TV chineses e visita a Agência Chinesa de Tecnologia Espacial, viajando em seguida para a Turquia.