Título: Inflação de maio é a menor do ano
Autor: D'Ercole, Ronaldo; Duarte, Patrícia
Fonte: O Globo, 10/06/2010, Economia, p. 36

IPCA fica em 0,43% no mês e Rio acumula maior alta do país em 2010

A inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deu uma trégua na sequência de altas e registrou a taxa mais baixa do ano em maio. O índice, divulgado ontem pelo IBGE, ficou em 0,43% ¿ o menor para maio desde 2005. O mercado previa taxa de 0,44%. Em abril, o IPCA fora de 0,57%, e, em maio de 2009, ficara em 0,47%.

O acumulado nos últimos 12 meses teve a primeira queda desde outubro de 2009, ficando em 5,22%. Entre as 11 regiões pesquisadas, o Rio é a que acumula maior alta no ano, com 4%, puxada por energia (3,20%, por conta da cobrança da taxa de iluminação), transportes urbanos e serviços em geral. Em maio, a taxa do Rio também subiu, ficando em 0,70%, ante 0,63% em abril.

A desaceleração do IPCA em abril foi puxada pela queda no preço dos alimentos, que desde janeiro pressionava o índice para cima. A aumento no item foi de 0,28% em maio, frente aos 1,45% de abril. Alguns alimentos chegaram a ter deflação no mês, como o tomate (-23,78%). O grupo Alimentação e Bebidas é res do IPCA no ano (3,09%).

¿ Os problemas climáticos que causavam a alta dos alimentos cessaram. Pode até ser que houvesse excesso de demanda, mas não podemos afirmar isso ainda ¿ disse a coordenadora de índice de preços do IBGE, Eulina Nunes.

Bernardo Wjuniski, da consultoria Tendências, avaliou que a queda dos alimentos foi positiva e deve continuar. Mas teme que a alta no núcleo da inflação (que descarta os itens mais voláteis) e a alta dos serviços dificultem uma maior redução da taxa. Ele prevê outra queda do IPCA em junho e de 5,4% no ano.

Para o economista Carlos Thadeu de Freitas, a taxa de junho deve ser de 0,30%. Ele afirma que a inflação de 2010 já está controlada, mas acha que o mercado interno aquecido demais pode pressionar as taxas do começo de 2011.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação entre famílias com rendas até seis salários mínimos, também foi de 0,43% em maio, ante 0,73% em abril. Já a inflação do Índice Geral de Preços Disponibilidade Interna (IGP-DI), da FGV, cresceu no mês, variando 1,57%, puxada pela alta de 75,19% do minério de ferro