Título: Ideias de Serra
Autor: Leitão, Miriam
Fonte: O Globo, 30/06/2010, Economia, p. 26

O candidato José Serra garantiu que não vai mudar o status do presidente do Banco Central.

Disse na saída da entrevista ontem na Globonews.

Na gravação, o que ele afirmou é que é fundamental ter uma equipe econômica afinada. Ele prometeu devolver ao consumidor final 30% dos impostos pagos pelo varejo. Na área ambiental, garantiu que é a favor do desmatamento zero.

Serra foi o segundo entrevistado da série especial de eleições. E último, porque a candidata Dilma Rousseff recusou o convite. Serra não tinha ainda resposta para a primeira e óbvia pergunta: quem será o vice? O PSDB e o DEM passaram ontem a tarde reunidos para discutir o assunto, mas ainda não tinham resposta quando ele entrou para a gravação do programa. Ponderei que em todas as candidaturas a escolha do candidato a vice representa um momento de agregar apoios e votos, mas na candidatura dele tinha virado uma crise. Ele discordou.

Disse que há muitas opções, que certos encaminhamentos não deram o resultado previsto e que sim, o candidato a vice vai somar votos e aparecer.

A pergunta sobre Banco Central é recorrente, mas tive que fazê-la de novo porque sinceramente ainda não entendi se o BC, se ele for eleito, será autônomo ou não: ¿ Vai ficar exatamente como está. O presidente é responsável pelas nomeações, e eu, se for eleito, vou pôr pessoas entrosadas em toda a área econômica para não ficar um atirando contra o outro.

Argumentei que ele disse recentemente que o presidente do BC vai responder ao ministro da Fazenda.

Ele respondeu: ¿ Sempre foi assim. O BC ficou independente do Ministério da Fazenda porque o (presidente) Lula quis protegêlo de processos tramitando em primeira instância.

Na saída, ao fim da gravação, ele disse que queria encerrar esse assunto: ¿ Minha garantia é que não haverá qualquer alteração de status do presidente do BC caso eu seja eleito.

Sobre a carga tributária brasileira ¿ que aliás, tanto o atual presidente quanto o antecessor elevaram ¿, ele disse que é possível diminuí-la e deu exemplos concretos: ¿ Criei em São Paulo a Nota Fiscal Paulista, a proposta é criar a Nota Fiscal Brasileira, que significa devolver ao contribuinte 30% do imposto pago no consumo.

É a primeira vez que se devolve imposto ao consumidor no Brasil, e nós entregamos R$ 2 bilhões. Temos também que desonerar investimentos.

E para nada disso é necessário mudar a lei, porque com as atuais pode-se adotar essas medidas. Tanto que eu, quando ministro da Saúde, diminuí os impostos que incidiam sobre medicamento de uso constante.

Perguntei sobre o que ele pretende fazer para reverter o fato de que, há dois meses, estava com 10% acima das intenções de votos da sua principal adversária, ex-ministra Dilma Rousseff, e agora está com 5% menos: ¿ Pesquisa vai e vem. Essa eleição será tão disputada quanto Copa do Mundo. Depois que o horário eleitoral começar é que o eleitor forma a sua cabeça. As pesquisas são mais importantes para os jornalistas, os políticos.

Serra não acha que o fato de o Brasil estar crescendo dará vantagens à candidata governista: ¿ O candidato de Bill Clinton perdeu a eleição, apesar de a economia estar bombando naquela época. Sou economista, mas não economicista.

Não acho que será a economia que vai decidir isso. O que decide é o futuro.

O Brasil vai ser governado pelo próximo presidente e o que vier a acontecer no Brasil vai depender do preparo e da qualificação e da capacidade de tomar decisão de quem for eleito. A economia está crescendo e isso deve ser mantido, mas está faltando saúde, educação, saneamento e um trabalho federal organizado de atendimento das calamidades.

Sobre as alterações propostas para o Código Florestal, o candidato foi vago. Disse que não acha que é a hora de fazer mudanças, que o tema precisa ser mais discutido: ¿ Há algumas boas ideias, como o fato de que nas áreas agrícolas antigas, que já não havia a reserva florestal, é preciso flexibilidade, mas perdão de multa tem que ser melhor examinada. Eu sou a favor do desmatamento zero porque a floresta é nosso patrimônio.

Em São Paulo, nós aumentamos a área coberta por mata natural, conseguimos acabar com um milhão de tonelada de cana queimada ¿ que não tem a ver com efeito estufa, mas com a saúde das pessoas ¿ e aprovamos a mais moderna legislação de mudança climática do hemisfério sul.

Serra disse que é possível cortar gastos, porque há sempre muito desperdício, principalmente em contratos de fornecimento e em compras governamentais. Citou o exemplo da compra de leite na prefeitura de São Paulo, que segundo ele ficou em metade ou dois terços do custo inicialmente estabelecido: ¿ O Brasil tem muitas anomalias.

Entra governo e sai governo o Brasil tem a maior taxa de juros do mundo, maior carga tributária entre emergentes e a menor taxa de investimento governamental.

Cortando gastos e desperdícios será possível reduzir juros, carga tributária e aumentar investimentos. Não se vai reduzir juros se não tiver um quadro fiscal equacionado.

No fim, disse que quer ¿abrir oportunidades para as pessoas¿.