Título: Para Lula, partido é quem vai decidir alianças
Autor: Grabois, Ana Paula; Rosas, Rafael
Fonte: Valor Econômico, 08/10/2008, Política, p. A12

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva evitou comentar sobre os possíveis apoios no segundo turno das eleições municipais, que acontecerá no dia 26 de outubro. Lula afirmou que só se pronunciará a respeito depois de definir com a base aliada do governo as coligações para o pleito.

"Para mim, acabou a primeira fase das eleições. Vai ter o segundo turno e obviamente eu tenho que analisar a minha participação na campanha em função da minha base do governo", frisou o presidente, que participou ontem do batismo da plataforma P-51, no estaleiro BrasFels, em Angra dos Reis.

Questionado sobre o possível apoio ao candidato Eduardo Paes - agora no PMDB do governador aliado Sérgio Cabral, mas um dos líderes da oposição do PSDB na época do escândalo do mensalão -, Lula não quis antecipar qualquer decisão, mas indicou que não terá problemas em subir no palanque de Paes no Rio de Janeiro.

"Quando o partido fizer as alianças que tiver que fazer e precisar que eu participe de campanha, eu participarei de campanha. Mas vamos aguardar o partido tomar a decisão que tem que tomar", acrescentou.

Lula sinalizou que essa participação levará em conta a base de apoio ao governo federal. "Obviamente eu tenho sempre que analisar a minha participação na campanha em função da base do governo", disse o presidente.

O presidente evitou comentar o resultado do primeiro turno em São Paulo, onde Gilberto Kassab (DEM) teve mais votos que Marta Suplicy (PT). "Não me peça para analisar eleições municipais. Para mim, acabou a primeira fase. Acho que para o presidente da República o que interessa agora é trabalhar com todos os prefeitos eleitos, a partir do dia 1º de janeiro. Vai ter o segundo turno." (* Valor Online, com agências noticiosas)