Título: Correios teve prejuízo com transporte aéreo
Autor:
Fonte: Valor Econômico, 05/10/2005, Política, p. A8

Relatório parcial da CPI Mista dos Correios indica que as empresas de transporte aéreo Beta e Skymaster deram um prejuízo de R$ 64,018 milhões aos cofres dos Correios desde 2000, conforme antecipado pelo Valor na edição de 23 de setembro. No documento, apresentado ontem pelo relator Osmar Serraglio (PMDB-PR), fica comprovado que as empresas tinham, desde julho de 2000, um acordo para dividir os contratos da estatal. "Houve um evidente conluio entre as duas empresas", concluiu Serraglio. "Havia um acordo entre a Beta e a Skymaster para fraudar a licitação e repassar metade ao vencedor". As empresas compartilharam linhas por três anos. Numa licitação de junho de 2001, fica claro que houve uma manobra para que a Skymaster conseguisse iniciar suas operações de transporte de correspondências entre Manaus e Fortaleza apenas seis horas depois de divulgado o resultado oficial do pregão. "A fraude é evidente nessa contratação relâmpago. Isso mostra que a empresa já estava com o avião lá esperando para operar", disse. Em outro pregão, em dezembro de 2001, quatro empresas se apresentaram para a licitação: Beta, Skymaster, Aeropostal e a Total, imediatamente desclassificada. A Aeropostal também foi excluída da disputa porque não tinha registro do Departamento de Aviação Civil (DAC) para operar. "A Aeropostal só participou para compor o cenário aparente de competição", avaliou Serraglio. Além disso, aponta o relatório, um dos donos da Aeropostal, Roberto Kfouri, havia sido diretor-executivo da Beta até setembro de 2001, o que deixaria claro, segundo Serraglio, o "teatro" para fraudar a licitação. No fim, venceu a Skymaster, que imediatamente subcontratou a Beta. A CPI aprovou ontem a convocação de Kfouri para explicar o caso. Mais à frente, em dezembro de 2003, quando já era proibida a subcontratação, a estratégia mudou para o subfaturamento. Em nota, a Skymaster tenta rebater o relatório de Serraglio. "Negamos terminantemente as acusações de superfaturamento, assim como repudiamos as acusações de manipulação dos contratos, de concorrência desleal ou, ainda, de qualquer tipo de apadrinhamento político", afirma uma nota assinada por sua assessoria de imprensa. A Skymaster admite, porém, ter cobrado dos Correios "preços até mesmo abaixo do mercado". (MZ)