Título: Luiz Marinho rejeita crise de governabilidade
Autor: Ferreira, Jorge e Felício, César
Fonte: Valor Econômico, 20/10/2006, Política, p. A8

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, respondeu ontem, com uma insinuação, à declaração do candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, que previu problemas de governabilidade, com o início imediato do debate sobre sucessão de 2010, caso o presidente Lula seja reeleito. "Não faz sentido continuar com a corda esticada, porque a oposição governa Estados e uma suposta falta de governabilidade também prejudicaria os governadores eleitos. A oposição, certamente, terá juízo, assim como todos devem ter. Passada a disputa, tem que voltar à normalidade", afirmou.

Marinho afastou-se do governo por dez dias para participar da campanha de reeleição junto a sindicatos e retornou ontem ao trabalho. Segundo o ministro, as declarações de Geraldo Alckmin fazem parte do nervosismo do momento político. "É desespero eleitoral. Passada a eleição, vira-se a página da disputa e tira-se da gaveta a bandeira da paz. Vamos tocar a vida para a frente", disse o ministro.

Se alguém insistir em continuar com esse "nervosismo eleitoral" depois do segundo turno, o ministro do Trabalho acredita que essas pessoas perderão espaço na sociedade. "Não tem porque um líder ou um partido se aventurar em querer se colocar contra o sentimento da sociedade e do povo".