Título: João Paulo apela a Virgílio para que desista de candidatura avulsa
Autor: Maria Lúcia Delgado
Fonte: Valor Econômico, 13/01/2005, Política, p. A6

O presidente da Câmara, João Paulo Cunha, e outros cinco deputados do grupo majoritário do PT entraram em campo para contornar as turbulências no processo sucessório da Casa e tiveram, na noite de terça-feira, uma conversa franca com Virgílio Guimarães (MG). Ao longo de quatro horas de reunião, na residência oficial da Câmara, João Paulo, que apoiou Virgílio, disse que tinha liberdade para fazer ao petista um apelo para ele recuar e desistir de apresentar candidatura avulsa à presidência. Ontem, Virgílio Guimarães voltou ao Palácio do Planalto para uma nova conversa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente da Câmara fez alertas ao mineiro: ponderou que ele só terá apoios fora do PT, e que evidentemente os ministros vão atuar em favor da candidatura de Luiz Eduardo Greenhalgh (SP). Numa avaliação sincera, João Paulo disse que se Virgílio levar isso adiante vai se transformar numa espécie de Dom Quixote. A João Paulo, Lula já tinha confidenciado que está numa situação muito difícil, pois é amigo próximo de Virgílio e de Greenhalgh. Lula lembrou do tempo em que dividiu apartamento com ambos, durante a Assembléia Nacional Constituinte. "O Virgílio foi meu confidente, o Greenhalgh me visitava na cadeia. Como eu poderia fazer uma escolha dessa?", teria dito o presidente. João Paulo garantiu a Virgílio Guimarães que Lula não interferiu no processo de decisão de bancada. "O Lula não vetou o Virgílio, e nem vai vetar, ou pedir para ele desistir. Se ele insistir, que apresente a sua candidatura. Mas, Lula deixa claro que, no PT, sempre se obedece a uma decisão partidária", disse um parlamentar do campo majoritário. Os petistas enalteceram as qualidades do mineiro durante o encontro. Disseram que o episódio demonstrou o prestígio político que ele tem na Casa, e que isso lhe dá condições de exercer papel relevante no Congresso este ano. Deixaram claro, ainda, que não bastaria ele desistir da candidatura. Virgílio teria que se engajar na campanha de Greenhalgh. Segundo relatos de deputados, Virgílio ficou sensibilizado com a conversa. Virgílio, de acordo com os petistas, está mergulhado num poço de mágoas. Ele disse, na reunião com a cúpula do campo majoritário do PT que foi ilegítima a atuação do presidente do partido, José Genoino, durante o processo de escolha do candidato oficial. O mineiro afirmou ter recebido informações de que Genoino recomendou claramente a deputados do campo majoritário que não votassem nele. Os petistas continuam otimistas e acham que em breve Virgílio Guimarães anunciará a decisão de caminhar junto com a bancada. Genoino dá prosseguimento à articulação política em favor de Greenhalgh. Ontem, o petista esteve no Senado para um encontro com o presidente nacional do PFL, Jorge Bornhausen (SC). O deputado José Carlos Aleluia (PFL-BA) decidiu lançar uma candidatura avulsa. Bornhausen informou a Genoino que está comprometido com a candidatura do pefelista e apoiará qualquer decisão que a bancada do PFL na Câmara vier a tomar.