Título: Para setor privado, taxa de retorno menor pode afastar interessados
Autor: Rittner, Daniel
Fonte: Valor Econômico, 18/05/2007, Brasil, p. A3

O setor privado reagiu com alívio à retomada do processo de concessões rodoviárias, mas fez ressalvas às mudanças anunciadas pelo governo. Um dos maiores temores é de que a redução na taxa de retorno afaste parte dos interessados no leilão. "A atratividade torna-se bastante duvidosa", disse o presidente da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR), Moacyr Duarte, referindo-se à nova TIR, de 8,95%. Para o executivo, não faltará disputa em nenhum dos sete lotes. "O problema talvez seja a qualidade dos interessados."

Duarte apóia alterações como o fim da cobrança de outorga e prevê bastante rigor do BNDES na concessão de empréstimo para os futuros concessionários. Só ressalta que nas novas condições, em um momento de liqüidez internacional e crescente interesse do capital privado, o Brasil poderá perder investimentos para outros países com remuneração mais atraente. "Vamos ter que competir com programas de concessão dos EUA, México, Chile e Europa Central."

O presidente da Associação Brasileira da Infra-Estrutura e Indústrias de Base (Abdib), Paulo Godoy, afirmou que a anúncio de revisão das tarifas tranqüiliza os empresários, que ficaram preocupados com a suspensão do processo de concessão das estradas federais, em janeiro. "Vencemos o principal, que é a decisão do governo de fazer a licitação."

Informado pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, sobre as novas condições de financiamento do BNDES, Godoy aprovou a idéia. Mas demonstrou menos entusiasmo com as mudanças na metodologia do leilão, como a que prevê uma única possibilidade de apresentar oferta para o valor da tarifa de pedágio. Na opinião do empresário, isso pode diminuir a competição. "O modelo de disputa viva-voz se mostrou adequado em outros segmentos", avaliou.

Godoy também vê menos espaço, com a redução de até 22% no teto das tarifas de pedágio, para quedas adicionais como fruto da concorrência. "O limite está muito estreito, mas é o mercado quem vai dizer isso." (DR)