Título: Retomada no campo devolve otimismo ao Mato Grosso do Sul
Autor: Zanatta , Mauro
Fonte: Valor Econômico, 13/05/2008, Agronegócios, p. B12

Na casa de quarto e sala da rua Cerejeira, na periferia de Sidrolândia, a 65 km ao sul de Campo Grande (MS), a rotina começa ainda de madrugada. Seis dias por semana, a operária Luciana Macedo Ferreira, 24 anos, salta da cama às 3h40 para arrumar os pertences e esperar o ônibus que a levará ao trabalho. Antes, prepara o café do marido e dos filhos Carlos Daniel, de seis anos, e Gabriele, de quatro.

Das 5 da manhã até as 13 horas, há seis anos Luciana corta peito de frango em uma sala refrigerada a 9º C na fábrica da Seara Alimentos. A jornada garante salário de R$ 560, uma cesta básica mensal, além de almoço e transporte diário. Mas o emprego, que Luciana compartilha com a mãe, um tio e uma prima, esteve ameaçado no início de 2006. Durante 18 dias, foi obrigada a tirar férias com os colegas para evitar a demissão coletiva. Temeu não poder mais pagar a prestação da casa e a creche dos filhos. "A gente estranha quando não tem trabalho", diz.

A causa da aflição vinha de longe: o medo de uma epidemia de gripe aviária, doença transmissível ao ser humano que se alastrava pela Ásia, puxou para baixo o consumo global de carne de frango, sobretudo na Europa. Em um mês, sobravam 15 mil toneladas do produto nos frigoríficos de Mato Grosso do Sul. No auge da crise, em meados de 2006, cerca de 1,2 mil funcionários do setor foram demitidos. "Ainda bem que a vida voltou ao normal logo", afirma a operária. "Não via a hora".

Passada a rejeição inicial dos consumidores, a exportação voltou ao normal. Luciana manteve o emprego e teve até aumentos de salário. Mas não esqueceu os efeitos da crise, que provocaram desemprego e apreensão.

À semelhança da situação da operária, o Mato Grosso do Sul vive um momento de superação de outra grave crise sanitária com a retomada econômica. Dois anos e meio após uma freada no Produto Interno Bruto (PIB), sobretudo no setor rural, motor da economia local, o Estado, às vésperas de completar 30 anos de fundação, parece ter se livrado dos danos causados pelo surgimento de focos de febre aftosa, em outubro de 2005.

No mesmo ritmo da operária Luciana, que passou a consumir mais no supermercado e a arriscar-se no crediário das lojas da cidade de 40 mil habitantes para equipar sua casa, a economia de Mato Grosso do Sul é movida pela forte reabilitação do agronegócio local e pela expectativa de um salto de industrialização previsto em investimentos de grandes e médias empresas nos próximos cinco anos.

O governo do Estado contabiliza uma carteira de 139 novos projetos empresariais em andamento, sobretudo de indústrias frigoríficas, sucroalcooleiras e de base florestal. A projeção indica que o PIB estadual cresceu 8,6% em 2007, chegando a R$ 25,3 bilhões - nesse período, o PIB do Brasil teve expansão de 5,4%. Para este ano, a previsão supera 7%. No PIB, o campo recobrou relevância. A fatia na renda estadual saltou de 15,5% em 2005 para 21% em 2006, voltando aos níveis pré-aftosa.

A ebulição nos investimentos em Mato Grosso do Sul reflete o bom momento econômico do país, a demanda sustentada por alimentos, commodities minerais e celulose, além de, claro, os incentivos fiscais e tributários oferecidos pelo Executivo local e por boa parte dos 78 municípios.

A abundante oferta de matéria-prima, como bovinos, grãos e minério, é essencial. Há um total de 1.050 projetos de construção, ampliação e modernização de fábricas no Estado. Todos em busca da isenção de 67% do ICMS por até dez anos, doações de terrenos sem cobrança de ISS ou IPTU, além de financiamentos a juros baixos do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO). A linha emprestou R$ 348 milhões ano passado, 36% acima de 2006.

O governo estadual estima um potencial de até R$ 40 bilhões de novos investimentos nos próximos cinco anos nas áreas de construção civil, bioenergia, papel e celulose, siderurgia, embalagens, têxteis, couros, metalurgia e infra-estrutura. "Pegamos o Estado com um déficit de R$ 30 milhões e fechamos 2007 com superávit de R$ 35 milhões", repete o governador André Puccinelli (PMDB).

Exemplos concretos da recente febre de investimentos no Estado, criado em 1979 pelo regime militar, são as 31 novas usinas de etanol em implantação, que devem injetar R$ 10,5 bilhões na região até 2012, gerando 56 mil postos de trabalho. Quatro unidades serão inauguradas ainda neste ano, inclusive a Adecco Agro, do megainvestidor George Soros. Outras cinco virão em 2009.

Para abastecer essas usinas, será necessário o plantio de 1 milhão de hectares de cana-de-açúcar. As usinas podem ajudar a resolver um velho problema: a falta de energia. A cogeração pode render 2 mil megawatts. Hoje, a demanda é de 600 MW. E requer investimentos para ampliação. O preço ainda é alto: R$ 0,18 kw/hora, enquanto a média nacional é de R$ 0,14 kw/h. "Metade dos custos de um aviário são energia", diz o presidente da federação da indústria (Fiems), Sergio Longen, que lidera uma cruzada tarifária contra a distribuidora Enersul, subsidiária da EDP Energias do Brasil.

Na área florestal, a Votorantim Celulose e Papel (VCP) constrói, ao custo de US$ 1,5 bilhão, uma fábrica para 1,3 milhão de toneladas de celulose por ano em Três Lagoas (MS). A planta, que será a maior do país, gerará 30 mil postos de trabalho e deve elevar em 13,5% o PIB do Estado, segundo a empresa. Atrás da ampliação da área de florestas, que ocupa hoje 200 mil hectares, a Duratex faz planos para uma unidade que consumiria R$ 400 milhões, revela a secretária estadual de Produção, Indústria e Comércio, Tereza Corrêa da Costa. "Apostamos muito na expansão das florestas para sustentar um pólo siderúrgico e moveleiro", diz.

As pastagens degradadas, afirma, poderiam ceder mais 500 mil hectares a eucaliptos e pinus na região. No pólo de ferro e manganês de Corumbá, na fronteira com a Bolívia, as mineradoras Vale, MMX e Rio Tinto torcem por isso. As siderúrgicas Vetorial e Sideruna também. Uma subsidiária da Arcelor, a Fergusul, já tem um projeto de R$ 60 milhões. E Brascan, Klabin e Grendene estudam negócios.

Também há projetos industriais graúdos para construção da Danica Termoindustrial (isolamento térmico), orçado em R$ 26 milhões; a ampliação da Metalfrio (refrigeração) ao custo de R$ 9 milhões; a instalação da misturadora da Fertipar Fertilizantes com R$ 5 milhões; além da esperada chegada da Masipack com suas máquinas para empacotamento. "O setor industrial está consolidado. Pela primeira vez em quase 30 anos, o PIB da indústria superou o setor primário", diz Sergio Longen, da Fiems. E dá como exemplo do grau de industrialização o valor recebido por unidade exportada, que subiu de US$ 0,11 para US$ 0,23 em oito anos até 2007. "Nossa pauta tem cada vez mais valor agregado".

Mas o bom momento econômico vivido em Mato Grosso do Sul, entretanto, está ligado ao desempenho do campo. A atual safra de grãos é a maior da história: 8,7 milhões de toneladas de soja, milho, arroz, feijão, algodão e trigo. Há, ainda, 260 mil hectares de cana produzindo 24,3 milhões de toneladas. As exportações de carne bovina voltaram a bater recordes em 2007. Passaram de US$ 55 milhões, em 2006, para US$ 84 milhões. Em aves, o Estado já exportou US$ 59 milhões até março e deve superar os US$ 186 milhões do ano passado. O PIB do campo saltou de R$ 4,16 bilhões, em 2005, para R$ 4,85 bilhões, em 2006, o último dado disponível. Em 2004, antes da aftosa, somava R$ 5,7 bilhões.

Atrás da fartura de grãos para ração e do baixo risco sanitário, abatedouros de aves aportam por aqui. Os investimentos previstos devem transformar a base agropecuária. Estão em ampliação as plantas de abate da Doux Frangosul, em Caarapó, de 160 mil para 500 mil aves por dia; da Seara, de Sidrolândia, que passará de 120 mil para 300 mil/dia; da Avipal-Perdigão, em Dourados, de 130 mil para 300 mil/dia; e Diplomata, em Campo Grande, de 550 mil para 1,1 milhão de aves/dia.

Beneficiados pelo segundo maior rebanho bovino do país, os 33 frigoríficos da área investem na construção e ampliação. O Bertin ergue em Campo Grande um abatedouro para 4 mil cabeças/dia. O Friboi passará de 1,2 mil para 2,5 mil cabeças/dia e o Independência chegará a 1 mil cabeças. A Aurora investe na linha de hambúrguer bovino. FriBrasil, Tatuibi e Bon Mart também investem alto.