Título: Status para aftosa gera queixa do MS
Autor:
Fonte: Valor Econômico, 29/05/2008, Agronegócios, p. B14

O governo de Mato Grosso do Sul acusa nos bastidores o Ministério da Agricultura de não ter transmitido documentos referentes ao Estado à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e, assim, de ter colaborado para o não-restabelecimento do status estadual de livre de aftosa com vacinação. O governador André Puccinelli se encontrou ontem na OIE com o diretor-geral da entidade, Bernardo Vallat, e com o presidente do comitê científico do órgão, o italiano Vicenzo Caporalle, e disse ter saído certo de que no próximo mês de julho o status será recuperado.

O governador esperava a recuperação do status agora, e fez escala em Paris, procedente de uma viagem ao Japão, acompanhado de uma equipe de televisão. "A situação está sob controle, temos na área de fronteira 22 postos, 24 veículos zero quilômetro, 186 funcionários, 25 veterinários, 25 fiscais agropecuários, duas lanchas e policia ambiental", disse.

Agora busca-se um pode expiatório para o fiasco. "O Ministério da Agricultura é que não fez seu trabalho, não passou documentos que enviamos para eles", disse uma autoridade que pediu para seu nome não ser publicado. "O que falta é o ministério mandar os papeis". Procurado pelo Valor, Jamil Gomes, o delegado do Brasil junto à OIE e diretor do Departamento de Defesa Animal do Ministério da Agricultura, retrucou: "Todas as informações foram transmitidas e todas as questões respondidas durante a avaliação".

O governador disse que "agora está todo mundo me pedindo desculpa, depois do fiasco. Ele reiterou que em sete dias o Estado pode cadastrar 500 mil cabeças de gado e que em junho o novo dossiê será entregue a OIE. "Se o dossiê corresponder às demandas, tudo bem", disse o diretor-geral da OIE. Na carta que enviou ao governo brasileiro, no qual aborda o status de Mato Grosso do Sul, Vallat mencionou falta de cadastro de propriedades e de animais nas zonas de alta vigilância contra a aftosa. (AM)