Título: Batalha chega a Trípoli e Kadafi arma civis
Autor: Craveiro, Rodrigo
Fonte: Correio Braziliense, 21/03/2011, Mundo, p. 14

Ghassan (nome fictício) atendeu à ligação da reportagem, por volta das 15h (hora de Brasília). Parecia nervoso e desconfiado. ¿Eu realmente não posso falar, não é uma boa ideia. Estão ouvindo as ligações internacionais aqui¿, disse o morador de Trípoli. Na madrugada de ontem, ele contou ter escutado apenas o barulho de caças sobrevoando a capital líbia. Minutos depois de desligar o telefone, as redes de TV mostraram fogo cruzando o céu da cidade, em meio a disparos e fortes explosões. A Operação Odisseia ao Amanhecer, iniciada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), às 13h45 de sábado (hora de Brasília), entrava em sua segunda fase, agora comandada pelos Estados Unidos. ¿Nós temos trabalhado duro para planejar (a ofensiva) em um espaço de tempo relativamente curto¿, explicou o almirante norte-americano Mike Mullen, chefe do Estado-Maior Conjunto, em entrevista à rede de TV CNN. ¿Eu diria que a zona de exclusão aérea está efetivamente em vigor.¿

Por volta das 19h30, a agência de notícias France-Presse divulgou que um prédio administrativo do complexo residencial do ditador Muamar Kadafi ficou completamente destruído por um míssil norte-americano. Não ficou claro se ele ou algum parente estava no edifício, situado no bairro de Bab El Aziziya, em Trípoli. O alvo ficava a 50m de uma tenda onde Kadafi recebia convidados importantes. No site de relacionamentos sociais Facebook, opositores ao regime afirmavam que o líder havia viajado ontem.

De acordo com o Pentágono, a capacidade de defesa antiaérea de Kadafi foi ¿fortemente atingida¿ pelos mísseis de cruzeiro disparados no sábado e pelas bombas lançadas de aviões. ¿Suas tropas já não estão marchando sobre Benghazi¿, acrescentou, referindo-se à segunda maior cidade da Líbia e bastião da insurgência. Agora, a coalizão internacional ¿ formada por EUA, Itália, França, Reino Unido, Canadá, Catar e Bélgica ¿ se concentra em proteger a população civil e atacar as tropas líbias. A partir de amanhã, ela terá por objetivo cortar o apoio logístico das forças do regime.

Kadafi reagiu à incursão aérea e naval avassaladora determinando que seus comandados baixassem as armas. ¿Em respeito às resoluções 1.970 e 1.973 da ONU, o comando das Forças Armadas deu a ordem para um cessar-fogo, a partir deste domingo, às 21h (16h em Brasília)¿, afirmou o porta-voz do regime líbio, Milad Fokehi. Antes, invadiu a cidade de Misrata com tanques. Moradores citados pela agência Reuters disseram ter presenciado um massacre. ¿Há tantas vítimas, que nós não podemos contá-las. Ele (Kadafi) está usando uma estratégia de `terra queimada¿. Queimando e destruindo tudo em seu caminho¿, comentou um porta-voz dos rebeldes.

Ironia Indignado, o diplomata Mourad Hemayma, que abandonou o cargo de representante permanente da Líbia perante à ONU em Genebra, ironizou o anúncio de trégua unilateral. ¿É o 10° cessar-fogo que eles anunciam. Nós só acreditaremos nisso quando suas tropas forem devolvidas aos quartéis¿, desabafou ao Correio, por telefone, do Cairo, o hoje porta-voz do opositor Conselho Nacional Transitório (CNT).

Mourad acusou as forças de Kadafi de executarem manifestantes pacíficos e de esconderem os corpos. ¿Estão colocando os mortos ao lado de fragmentos de bombas e alegando que a coalizão os matou¿, denunciou. O diplomata desertor garante que 10 mil pessoas já morreram em 31 dias de levante. Segundo ele, Abdel Elah Al Khatib, enviado especial da ONU à Líbia, visitará hoje Benghazi ¿ a segunda maior cidade do país e bastião da insurgência. O governo dos EUA também duvida da nova oferta de trégua. No Rio de Janeiro, onde acompanhava o presidente Barack Obama, o conselheiro para Segurança Nacional, Tom Donilon, considerou o anúncio ¿uma mentira¿. ¿O cessar-fogo foi imediatamente violado pelo regime¿, denunciou. Bill Gortney, diretor do Estado-Maior Conjunto, disse que a operação aérea contra tropas líbias estacionadas em Benghazi foi ¿bastante exitosa¿. Canhões queimados e tanques destruídos podiam ser vistos na região.

Nos bombardeios de ontem, quatro caças do Catar e seis da Bélgica foram mobilizados. ¿Isso ilustra a participação árabe nessa operação¿, destacou Laurent Teisseire, porta-voz do Ministério de Defesa da França. A TV estatal líbia divulgou que 48 civis morreram no sábado. A Rússia citou os mesmos números. ¿Fazemos um chamado a todos os países para que interrompam o uso de força não seletivo¿, disse Alexander Lukashevich, porta-voz da chancelaria. Ele admitiu que as incursões da Otan e aliados destruíram instalações médicas, estradas e pontes. O Pentágono não reconhece as baixas civis.

Um milhão de civis líbios teriam começado a receber armas, sob as ordens do ditador Muamar Kadafi. Em nova mensagem divulgada pela TV estatal, ele esbanjou confiança e tornou a desafiar as forças ocidentais. ¿Estamos preparados para uma longa guerra¿, avisou. Um dia após alertar que abriria os depósitos de armamentos, o coronel instou a população a lutar. ¿Nós somos os vitoriosos, vocês, os vencidos. Jamais abandonaremos o campo de batalha, pois defendemos nossa terra e nossa dignidade¿, assegurou Kadafi em mensagem sonora, a segunda desde o início da operação militar internacional, lançada por conta da resolução 1.973 da ONU.

Kadafi qualificou a Operação Odisseia ao Amanhecer de ¿novo nazismo¿ e prometeu que todos os líbios estão prontos para o martírio. ¿Nós vamos vencer. Eles morrerão, porque esse é um assunto interno, uma guerra entre o povo da Líbia e o novo nazismo¿, atacou. ¿Estamos em nossa terra, os líbios estão unidos, em uma direção unificada. Vamos lutar em uma frente ampla.¿ O ditador qualificou os governantes da aliança ocidental de ¿selvagens e criminosos¿ e jurou que eles cairão como ¿Hitler e Mussolini¿ ¿ em referência aos líderes do nazismo alemão e do fascismo na Itália.

O coronel, que acumula 42 anos no poder, também advertiu o Ocidente sobre as consequências da ofensiva para impor a zona de exclusão aérea. ¿Nós armaremos todos os líbios. Eles receberão metralhadoras e peças de artilharia¿, disse. Acusou o ataque de ser uma ¿nova guerra das Cruzadas para apagar o islã¿. ¿Deus está conosco, o diabo está com vós¿, esbravejou Kadafi. A agência de notícias oficial líbia Jana divulgou um plano do Ministério de Defesa para armar ¿ mais de um milhão de homens e mulheres¿ nas próximas horas. ¿Vamos armar as mulheres. Venham lutar contra as nossas mulheres, bando de covardes¿, desafiou o governante líbio.

No pronunciamento de sábado, Kadafi já havia prometido radicalizar. Afirmou que atacaria objetivos ¿civis e militares¿ no Mar Mediterrâneo, conclamou os povos do mundo a se levantarem contra a ofensiva da Otan e antecipou o desejo de armar a população líbia. ¿Agora é necessário abrir os depósitos e armar todas as massas com todos os tipos de armas para defender a independência, a unidade e a honra do país¿, avisou.

Liga Árabe critica ação O secretário-geral da Liga Árabe, Amr Mussa, deplorou ontem o amplo escopo da ofensiva na Líbia e afirmou que a entidade pode reconsiderar a aprovação da intervenção militar. ¿O que está ocorrendo na Líbia difere do objetivo de uma zona de exclusão aérea¿, afirmou à agência oficial egípcia Mena. ¿E o que queremos é a proteção dos civis e não o bombardeio de mais civis¿, acrescentou. O governo do Irã acusou o Ocidente de usar a defesa do povo líbio como uma desculpa para impor uma nova forma de colonialismo. Em busca de apoio, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ligou ontem, do Rio de Janeiro, para o rei Abdullah, da Jordânia. Segundo o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Tom Donilon, os dois concordaram que uma coalizão ¿mais ampla é necessária¿ e será buscada.