Título: Operação para encolher PSB
Autor: Campos, Ana Maria
Fonte: Correio Braziliense, 12/10/2011, Política no DF, p. 24

Ao abrigar o deputado distrital Cristiano Araújo em uma secretaria, Agnelo Queiroz reduz a força do partido do senador Rodrigo Rollemberg e atende antiga reivindicação do PTB por mais espaço no governo. Prioridade da pasta volta a ser o projeto de inclusão digital

A mudança no comando da Secretaria de Ciência e Tecnologia representa muito mais do que um simples remanejamento de cargos no Governo do Distrito Federal para acomodar forças políticas. Ao entregar a pasta ao deputado distrital Cristiano Araújo (PTB), o governador Agnelo Queiroz (PT) corta espaço do PSB, do senador Rodrigo Rollemberg, numa demonstração de que a antiga parceria entre os dois políticos já não é a mesma. Sai ganhando o PTB, do senador Gim Argello, adversário de outros tempos, que tem se posicionado como aliado do Executivo no Congresso e na Câmara Legislativa. Além disso, deve representar a retomada do projeto de inclusão digital em convênio com a Fundação Gonçalves Ledo, para instalação de pontos de acesso à internet em todo o Distrito Federal.

Cristiano Araújo vai substituir Gastão Ramos, filiado ao PSB, um dos próximos aliados de Agnelo. Candidato a vice na chapa encabeçada por Arlete Sampaio (PT) ao GDF em 2006, Gastão rescindiu contrato com a Fundação Gonçalves Ledo em virtude de decisões do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) e do Tribunal de Justiça do DF que determinavam a medida. O Ministério Público do DF e Territórios contesta o contrato firmado com a entidade sem licitação no governo anterior. A entidade conseguiu, este ano, uma liberação da Justiça para continuar prestando serviço. Amparada nessa autorização, a Secretaria de Ciência e Tecnologia repassou R$ 18,3 milhões, entre 10 de maio e 9 de junho. No embate judicial, a última decisão mantém a proibição de pagamentos.

Ao assumir a Secretaria de Ciência e Tecnologia, Cristiano deverá indicar um novo nome para a Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP), hoje presidida por Paulo Salles, um técnico também indicado pelo PSB. O órgão é responsável pelo programa de inclusão digital e com o convênio com a Fundação Gonçalves Ledo. O distrital do PTB deverá escolher alguém de sua confiança, depois de ouvir Gim Argello. A transferência de Cristiano para o Executivo foi totalmente articulada pelo senador petebista. Ele vinha defendendo um maior espaço para o partido no governo local sob o argumento de que se tornou um aliado mais próximo de Agnelo do que seriam os outros dois senadores do Distrito Federal, Cristovam Buarque (PDT) e Rodrigo Rollemberg.

Com apenas um deputado distrital, Joe Valle, o PSB tem ainda outras indicações no primeiro escalão: os secretários de Agricultura, Lúcio Valadão, e de Turismo, Luis Otávio Neves. Gim Argello vinha argumentando que o PTB também possui um representante na Câmara Legislativa, mas estava sem participação no secretariado. A negociação para levar Cristiano ao Executivo foi longa. Ele esteve cotado para assumir as seguintes pastas: Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Juventude e Meio Ambiente. Ao migrar para o governo, Cristiano abre a vaga na Câmara Legislativa para Dr. Charles (PTB), ex-distrital que na última eleição ficou na primeira suplência.

Rollemberg disse que vai continuar apoiando as políticas do Governo do DF para a área de ciência e tecnologia, mas lamentou a mudança na secretaria. "Houve um retrocesso. É lamentável que esse setor estratégico seja transformado em negociação política", afirmou o senador. "O Gastão e o Paulo Salles vinham desenvolvendo um bom trabalho, com boa receptividade na comunidade acadêmica e no meio científico", criticou.

Rusga Agnelo e Rollemberg estiveram juntos nas últimas duas eleições, mas os dois vêm se estranhando há alguns meses. O senador do PSB tem se colocado como uma alternativa política para disputar o Palácio do Buriti no próximo pleito, o que incomoda a cúpula do PT. Por conta dessa postura, houve uma rusga recente com o governo quando Rollemberg defendeu publicamente a aplicação de recursos do Fundo Constitucional do DF, destinados ao custeio das áreas de saúde, segurança e educação, nos municípios do Entorno, como forma de manter a qualidade de vida no Distrito Federal. Agnelo deu declarações públicas de descontentamento e considerou a proposta uma "insanidade".

Cristovam, por sua vez, se afastou do governo logo no início da gestão, quando Agnelo escolheu a professora Regina Vinhaes para a Secretaria de Educação sem consultá-lo. Depois, o governador fez uma substituição na pasta ao nomear Denilson Bento da Costa, ex-dirigente do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF), também sem levar em conta a opinião de Cristovam que carrega a educação como principal bandeira de sua atuação política. O chefe do Executivo também não gostou quando o pedetista deixou de assinar uma lista, endossada por vários senadores, que apoia a escolha de Brasília para sediar a abertura da Copa de 2014. Ao Correio, Agnelo negou conflito com os dois senadores e justificou a troca na Secretaria de Ciência e Tecnologia como uma necessidade de construir uma base sólida para apoiar a sua gestão.

Escolha pessoal Integrante da Federação das Indústrias de Brasília (Fibra), Gastão Ramos é filiado ao PSB, mas foi escolhido para a Secretaria de Ciência e Tecnologia pessoalmente por Agnelo Queiroz. Com o arranjo político, Gastão permanecerá no governo, na função de assessor especial do governador. Ele terá como atribuição conduzir os programas Cidade Digital e de expansão da banda larga no DF.