Título: Sai verba do Bird para o Brasília Sustentável
Autor: Eruza Rodrigues
Fonte: Jornal do Brasil, 28/01/2006, Brasília, p. D3

No próximo dia 8, o governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz, estará em Washington, Estados Unidos, para assinaro empréstimo de US$ 57 milhões do Banco Mundial, Bird, que viabilizará o projeto Brasília Sustentável. Esse projeto prevê saneamento ambiental, acesso à água e esgotamento sanitário em áreas urbanas ainda sem esse atendimento. O projeto será implantado com uma contrapartida do governo distrital também de US$ 57 milhões, já garantidos pelo Tesouro do DF, Caesb e Caixa Econômica Federal, totalizando U$ 115 milhões. A previsão é de que as obras estejam prontas em cinco anos. Com a iniciativa, o GDF quer preservar os mananciais e lençóis freáticos do Distrito Federal, como as bacias do Paranoá e Descoberto, garantindo água de qualidade para gerações futuras.

As Secretarias responsáveis pela implantação do projeto informaram ontem, em entrevista coletiva, as áreas a serem beneficiadas pela iniciativa. São elas Vicente Pires, Águas Lindas (GO) e Vila Estrutural. Nessa última, serão realizadas ações sociais e de regularização fundiária. O objetivo é dar moradia às 6,6 mil família que vivem no local. Outro ponto será a questão do lixão, que será extinto para dar lugar ao um aterro sanitário de preservação ambiental.

O recurso do Banco Mundial era o ponto que faltava para pôr o Brasília Sustentável em prática. De acordo com o secretário da Agência de Infra-Estrutura e Desenvolvimento Urbano, Tadeu Filipelli, as ações já começaram.

- A topografia da estrutural já está em execução, junto com o projeto executivo para o aproveitamento sustentável da barragem do Descoberto, que abastece, em média, 65% da população do DF e 200 mil pessoas no Entorno.

Os estudos para começar as obras que vão estender a rede de esgoto à Vicente Pires também estão concluídos. Vamos partir agora para a fase das licitações - disse o deputado federal licenciado.

A secretária de Captação de Recursos, Rossana Rego, informou que o GDF está na reta final do trabalho de arrecadação de dinheiro para o Brasília Sustentável.

- Tanto o empréstimo quanto a contrapartida já estão garantidos. O DF tem 15 anos para pagar o financiamento e mais cinco de carência, com juros que estão hoje na faixa de 3,5% ao ano. Essa taxa ao longo do tempo poderá aumentar ou diminuir. Mas vamos começar a pagar o banco somente em 2010. Acredito que a viabilização desse recurso pelo Bird é uma prova da importância do projeto e do reconhecimento internacional - enfatizou Rossana.

Dos U$ 57 milhões do Banco Mundial, U$ 30 milhões vão para a urbanização da Vila Estrutural. A secretária de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Diana Motta, diz que integrar o projeto sustentável à estrutural é um marco no GDF, porque vai reunir uma série de ações sociais, ambientais e urbanísticas.

- Será um modelo para outras localidades do Brasil e da América Latina. Vamos dar condições de cidadania à população dessa Vila, cuja renda média não ultrapassa dois salários mínimos mensais. As 6,6 famílias do local serviram como nosso referencial para pensar as ações. Vamos construir um aterro sanitário nos moldes de primeiro mundo - disse.