Seguir
Pesquisa:
Pesquisar em artigos de jornais e revistas
Pesquisa avançada

Mostrar registro simples

dc.contributor.author Novaes, Faustino Xavier de, 1820-1869 pt_BR
dc.date.accessioned 2012-08-14T19:45:16Z pt_BR
dc.date.accessioned 2013-04-17T14:13:42Z
dc.date.issued 1870 pt_BR
dc.identifier.uri http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/242832
dc.description Inclui notas explicativas (ao final do volume). pt_BR
dc.description Retrato de Faustino Xavier [front.]. pt_BR
dc.description.abstract Poeta, jornalista e teatrólogo, Faustino Xavier Novaes nasceu no Porto, Portugal, em 1820, e morreu no Rio de Janeiro, em 1869. Pertenceu à segunda geração romântica, saindo do convencionalismo ultrarromântico pela vertente satírica, influenciado por Bocage e Nicolau Tolentino. Fundou e dirigiu uma das revistas mais importantes do ultrarromantismo, O Bardo. Colaborou em outras revistas literárias. Veio para o Brasil em 1858 e passou a fazer parte da história literária do país, colaborando em A Marmota e outras publicações da época. Escreveu vários textos para o Jornal do Commercio e para o Correio Mercantil. A sua obra foi elogiada por escritores renomados como Camilo Castelo Branco, Casimiro de Abreu e Machado de Assis. Poesias Posthumas é uma coletânea de poemas, vários deles intitulados Soneto, e alguns dedicados a amigos e a outras pessoas da época. Escritos de forma simples e natural, têm linguagem acessível e de qualidade. A sua poesia satírica retrata com graça e humor as coisas do seu tempo. Versa, principalmente, sobre o cotidiano burguês e os exageros sentimentais e fúnebres dos poetas líricos de sua geração. (MENEZES, Raimundo de. Dicionário literário brasileiro. 2. ed. rev. aum. e atual. Rio de Janeiro : LTC, 1978, p. 485-486), (ENCICLOPÉDIA de literatura brasileira. 2. ed., rev., ampl., atual. e il. Rio de Janeiro : Global : FBN, 2001. v. 2, p. 1167). pt_BR
dc.description.abstract Coletânea de poemas, vários deles intitulados Soneto, e alguns dedicados a amigos e a outras pessoas da época. Escritos de forma simples e natural, têm linguagem acessível e de qualidade. A sua poesia satírica retrata com graça e humor as coisas do seu tempo. Versa, principalmente, sobre o cotidiano burguês e os exageros sentimentais e fúnebres dos poetas líricos de sua geração.
dc.description.statementofresponsibility de Faustino Xavier de Novaes pt_BR
dc.format.extent iii, 259 p. : front. (retr.) ; 23 cm. pt_BR
dc.language por pt_BR
dc.publisher Rio de Janeiro : Typ. do Imperial Instituto Artistico pt_BR
dc.relation.isreferencedby Coutinho, Graça; Sousa, J. Galante de (Dir.). Enciclopédia de literatura brasileira. 2. ed., rev., ampl., atual. e il. sob a coordenação de Graça Coutinho e Rita Moutinho. Rio de Janeiro : Global : Fundação Biblioteca Nacional, 2001. v. 2, p. 1167.
dc.relation.isreferencedby Menezes, Raimundo de. Dicionário literário brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1978. p. 485- 486.
dc.subject.other Poesia, Brasil, séc. XIX pt_BR
dc.title Poesias posthumas pt_BR
dc.type Livro pt_BR
dc.type Texto pt_BR
dc.type Obra rara pt_BR


Arquivos deste item

Este item está licenciado sob a Licença Creative Commons

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)

Mostrar registro simples

Apoio:  


       Implementado com:  
     Estatísticas de uso  


Fale conosco:  


Biblioteca Acadêmico Luiz Viana Filho
Serviço de Biblioteca Digital - SEBID
Telefones:+55 (61) 3303-1267 / 3303-1268
E-mail: biblioteca@senado.leg.br
 
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11