Seguir
Pesquisa:
Pesquisar em artigos de jornais e revistas
Pesquisa avançada

Mostrar registro simples

dc.contributor.author Senado Federal. Instituição Fiscal Independente
dc.date.accessioned 2021-02-22T17:54:04Z
dc.date.issued 2021-02-22
dc.identifier.uri https://www2.senado.gov.br/bdsf/handle/id/584764
dc.description Título da capa. pt_BR
dc.description.abstract Após contração estimada em 4,5% em 2020, a economia brasileira deve crescer 3,0% em 2021 e 2,6% em 2022. É provável que o PIB recue no primeiro trimestre de 2021. Estima-se que a taxa de juros se estabilize ao redor de 3,5% ao ano (média de 2023 a 2030), com a taxa Selic nominal caminhando para 7,0%, aproximadamente. Devido ao fato de (i) a retomada da atividade econômica estar concentrada em alguns setores, como a indústria e o comércio varejista, e (ii) as elevadas incertezas com respeito à manutenção dessa recuperação no presente ano, a IFI estima que a recomposição das receitas ocorrerá de maneira gradual. Não houve alterações no PIB potencial do país, o que ensejaria mudanças mais profundas na trajetória das receitas fiscais. O teto de gastos deverá ser cumprido, em 2021, e risco de rompimento passou de elevado para moderado. Tendência recente dos gastos com previdência e pessoal e dados preliminares de execução em 2021 corroboram cenário mais favorável. Inflação mais alta em junho de 2021 contribui para o cumprimento do teto também em 2022. O cenário base inclui gasto com auxílio emergencial no valor de R$ 34,2 bilhões, com um benefício mensal de R$ 250,00 por quatro meses para 45 milhões de pessoas, incluindo beneficiários do Bolsa Família. Nas projeções, o gasto com o auxílio não está sujeito ao teto. No cenário base, a projeção de déficit primário para 2021 é compatível com o cumprimento da meta fiscal fixada na LDO, de R$ 247,1 bilhões. Destaca-se a revisão da projeção de receitas, que deverá compensar parte dos efeitos altistas do lado das despesas. Para os próximos anos, há perspectiva de redução do déficit, que, no entanto, deve se manter negativa até 2030. Os efeitos da crise da covid-19 sobre as contas públicas foram expressivos e levaram a uma alta da dívida bruta da ordem de 15 pontos percentuais do PIB entre 2019 e 2020. A tendência continua a ser de forte crescimento do indicador nos cenários base e pessimista. No otimista, já seria possível iniciar a queda do endividamento em relação ao PIB em 2022. pt_BR
dc.description.statementofresponsibility Senado Federal, Instituição Fiscal Independente pt_BR
dc.format.medium 50 p. : il., gráfs. pt_BR
dc.publisher Brasília : Senado Federal, Instituição Fiscal Independente pt_BR
dc.relation.ispartofseries Relatório de acompanhamento fiscal ; n. 48 pt_BR
dc.rights CC0 1.0 Universal *
dc.rights.uri http://creativecommons.org/publicdomain/zero/1.0/ *
dc.subject.other Orçamento público, periódico, Brasil pt_BR
dc.subject.other Finanças públicas, Brasil pt_BR
dc.subject.other Política fiscal, Brasil pt_BR
dc.subject.other Política orçamentária, periódico, Brasil pt_BR
dc.subject.other Inflação, Brasil pt_BR
dc.subject.other Produto interno bruto (PIB), Brasil pt_BR
dc.subject.other Dívida pública, Brasil pt_BR
dc.subject.other Despesa pública, Brasil pt_BR
dc.subject.other COVID-19, Brasil pt_BR
dc.subject.other Auxílio financeiro, Brasil pt_BR
dc.title Relatório de acompanhamento fiscal : fevereiro de 2021 pt_BR
dc.type Texto pt_BR
dc.type Relatório pt_BR


Arquivos deste item

Este item está licenciado sob a Licença Creative Commons

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)

Mostrar registro simples

CC0 1.0 Universal Exceto quando indicado o contrário, a licença deste item é descrito como CC0 1.0 Universal
Apoio:  


       Implementado com:  
     Estatísticas de uso  


Fale conosco:  


Biblioteca Acadêmico Luiz Viana Filho
Serviço de Biblioteca Digital - SEBID
Telefones:+55 (61) 3303-1267 / 3303-1268
E-mail: biblioteca@senado.leg.br
 
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11